RSS

Arquivo da categoria: mimimi pride

~~~você fica criticando a imposição do padrão de beleza, mas faz igual~~~

Image

Nick Jones em uma foto no Instagram. META. \o/

Primeiramente, boa noite.
Segundamente (sic), acho que sou responsável pelas coisas que digo. E esclarecer é privilégio, não obrigação. Diquinha.
Terceiramente (sic), não sei.
E quartamente (sic), APPLAUSE. KKKKKKKKKKKKKKKK Parei. *ca-hem*

Como todos sabem, eu sempre tive uma visão crítica das coisas. Seja pra algumas coisas, ou outras… Eu sempre tenho ciência da realidade que me cerca.

Só não tenho manifestado a opinião de tudo pq sempre haverá dissidentes, e as pessoas desaprenderam a discutir ou a manter a amizade depois de uma ótima discussão. Aí mostro minha opinião curtindo algumas coisas e não curtindo outras. Empobrece o mundo? Claro que empobrece. Mas em contrapartida, ganho mais saúde e disposição pra viver. E continuo com amigos. 🙂 Ônus e bônus, essa patacoada.

E uma dessas minhas opiniões (às vezes comuns, outras controversas, poucas erradas pra caralho mesmo) envolve a questão da aparência. Como todos sabem, eu sou crítico ferrenho da cultura da barba. E somente isso. Eu tenho meus motivos, e eu os exponho neste link. Mas há uma observação que queria fazer: NUNCA fui crítico ferrenho do corpo alheio. Crítico no sentido de criticar a ditadura do corpo perfeito e tal. Seria muita hipocrisia dizer que não acho bonito. Acho. Mas não me impede de pegar alguém barrigudo ou coisa parecida. Não me impede de VIVER, e isso é bem importante.

Mas vamos ao ponto principal pelo qual estou criando esse post. Como sou crítico ferrenho da barba (ironicamente, tô usando uma. Mas só tô usando por ter preguiça de fazer. Minha barba grande é ridicularizada em 80% das vezes), argumentei em uma conversa com um amigo que só trocar barba por barriga tanquinho que o sentido seria igualmente escroto.
Desculpa, mas não seria mesmo?

Segue-se a seguinte frase:

“Ai, adoraria esse homem de barba na minha cama…”

Trocando o termo “barba” por braço sarado, olha como fica:

“Ai, adoraria esse homem de braço sarado na minha cama”

ou por barriga trincada:

“Ai, adoraria esse homem de barriga trincada na minha cama”

ou por olhos azuis:

“Ai, adoraria esse homem de olhos azuis na minha cama”

Parece um argumento ridículo (e é!), mas as pessoas batalham tanto pela real beleza que acabam moldando parâmetros pra acharem uma barba bonita. Dizem: ah, tem de ser cheia, seu rosto tem de ser quadrado, só serve em modelo, não serve em você… E no final das contas, você, que criticava o culto doentio pelo corpo perfeito, acaba, OH THE IRONY, apelando pelo culto doentio pela barba perfeita.

Sinceramente? Preferiria o povo cultivando o corpo perfeito. Perdia pouco tempo em ser babaca.

E quanto ao corpo, decidi retomar meu regime e voltar a academia (alguém se lembra do WOWITT? Retomarei este Domingo. :D). E tenho postado meu êxito com a dieta e com a academia. Até apelei o nerdismo ao falar de Fitocracy. Alguns amigos disseram: CUSPINDO PRA CIMA? FAZENDO O QUE VOCÊ SEMPRE CRITICOU?

Primeiro: nunca critiquei o estilo #bornthiswhey (proj @ferrreira) que o povo tem adotado. Inclusive, acho ótimo. 😀

Segundo: meu sonho de ter um corpo magro e definido é coisa antiga. Desde meus tempos de guri, eu sofria bullying constante por causa do meu peso. Eu era gordinho quatro olhos que usava aparelho e muito retardado que ninguém andava na escola. Como vocês acham que eu me sentia? Sempre quis ser o mais sarado, o mais desejado da galera. Ralei muito pra ser uma pessoa melhor. Usei aparelho, aprendi a ter um senso melhor… Mas meu instinto de gordo sempre atacava. E não vou mentir que anda bem difícil de controlar, depois de tanto tempo agindo como gordo. Mas vai fazer um mês de dieta, e bom, emagreci uns seis quilos. Tô no começo, alguns amigos tão apoiando, tô achando ótimo. 😀

Terceiro, e o mais importante: infelizmente, você só é alguém na vida se você for: BONITO, SARADO OU RICO. Inteligência ou outros atributos maravilhosos das pessoas sempre ficam em último plano. Como me conformei no fato de que a aparência importa mais (e que não tenho tempo pra ficar me impondo sendo excludente, somado ao fato de que não sou de ser hipster na aparência), eu decidi fazer dieta e malhar. Claro, há a questão da saúde e autoestima. Mas ser uma pessoa com um corpo DOS SONHOS é algo que tem me movido. A meta é postar uma foto de cuequinha. SARADÍSSIMO. Mas vou conseguir pq tô batalhando pra isso. E isso vai servir em me dar mais gás a outras metas que tenho, como ter um emprego melhor.

Tá sendo legal cuidar melhor do meu corpo. Embarquei no projeto por motivos frívolos, mas temos de ter motivação pra QUALQUER COISA que você queira fazer na vida, né?

Enfim. Esse texto é pra simplesmente fazer o que eu gosto de fazer: esclarecer meus pontos de vista e dar alguma satisfação nas minhas opiniões. Não que você se importe. Ou que você ache relevante. Mas me vejo no direito de fazer isso.

Direito. Pq não tenho obrigação a fazer algo tão pessoal como ESCLARECER PRÓPRIAS OPINIÕES, sendo que nem pessoa pública ou influente eu sou. 🙂

Anúncios
 

Jus DarkSoulcione¹ (pq é difícil pra carai)

 

BLABLABLA JUS BLABLABLA JURISPRUDÊNCIA BLABLABLA SENTENÇA EM JULGADO

Para quem quer fazer direito, este singelo texto.

Eu, como bacharel na área, digo em breves palavras, o que vocês irão enfrentar daqui a algum tempo. Não vem coisa fácil, já digo logo.

A seguir, as vdds que falei certa vez no feise. Prestigiem. E pensem mesmo se querem fazer Direito.

 

Este post é para vocês que pretendem fazer direito. Muitos de vocês vêm procuradores, advogados bem sucedidos, promotores, desembargadores, e decidem fazer direito.

– ain, Direito é uma área linda, lida com justiça. Amo justiça. Etc. 
Observações a fazer:

1) Direito não é um curso ruim. Ele é igual a todos os outros. Tem gente que ama. Tem gente que detesta. Se for pra fazer o curso com a finalidade de fazer concurso, acredite. Tá indo pelo pior motivo. 

2) como todo curso que se preza, você vai passar cinco anos. Lidando com, talvez, as pessoas mais escrotas e arrogantes do universo. Gente que te trata como se você fosse um zero a esquerda. Gente que só pq tem mestrado ou doutorado se acha no direito de escrotizar a sua vida. Mas tem assim em tudo quanto é curso então blz.

3) É um curso que você lida com coxinha, e é de coxinha. E para coxinha. Ponto. Há exceções (alguém disse VOCÊ IGU?), mas tem sempre algum babaca falando coisas que imperam no senso comum. 

4) Um curso que abusa do formalismo e termos técnicos. Sem falar no odioso pronome de tratamento DOUTOR. 

5) Além disso, tem o povo mais bonito, bem nascido e bem arrumado do universo DSCLP. 

6) E antes da dita justiça, vem o positivismo e as normas que nem sempre é o certo a se fazer. 

Se com essas observações você não desistiu de fazer o curso, tenho uma mais importante: apenas 17 por cento dos alunos que prestaram o último exame da oab foram aprovados. NA PRIMEIRA FASE. 

Boa sorte. A todos.

 

¹ – o neologismo remete ao jogo Dark Souls, um dos jogos mais difíceis da atual geração de videogames.

 

Viver sobre mais de um século… E Niemeyer.

Refletindo sobre os 104 anos que Niemeyer viveu, encerrados nesta noite, eu postei no Twitter:

“mas caras, PRA Q VIVER TANTO? A vida só é legal até os 60. depois disso, af.”

Talvez vocês fiquem putos comigo dizendo: AH MAS NÃO É POSSÍVEL COMO É QUE VOCÊ PODE FALAR ISSO?????//// Eu explico.

Viver muito é privilégio de poucos. Ainda mais o Niemeyer. Poxa, ele viu inúmeras guerras, um monte de fatos que marcaram o século XX. Certamente, conversar com ele poderia ser fantástico. Mas… Viver muito e ver fatos passando na nossa vida acaba “ofendendo” gente mais nova, e aí começam a zombar do fato de ser velho ou de ser ~imortal~.

Não quero viver pra ver isso. E pra outras coisas também.

A sociedade é cruel para com quem é mais velho. Parece que ser velho, nos dias de hoje, é imoral. É chato. É ultrapassado. Muitos de nós ficamos azedos com pessoas que nos comandam pelo fato de não entenderem direito coisas feitas por gente mais nova. Pelo fato de representar o feio, o ruim. Pelo fato de você rejeitar uma pessoa só por ser mais velha e recriminar pq, sei lá, ainda gosta de ir a balada. E nem falo da aposentadoria e dos eventuais problemas de velhice que IMPLORAM por ajuda médica.

E eu, que sou um cara individulista e que ODEIO depender de alguém, essa ideia me apavora.

Eu sei que vou ter uma vida adulta relativamente tranquila, mas dado o fato de me conhecer bem, viver por mais de 60 anos me assusta. Me deixa bem bolado. Eu sei que tenho apenas 24 anos e que posso mudar de ideia depois dos 30 ou 40, mas sei lá. Viver 100 anos pra ouvir escrotice de um pivete que sabe nada da vida não é algo muito legal de se fazer.

[postei isso no meu facebook]

PS 1: O texto de Nina Lemos falando sobre as “”””velhinhas”””” que abalam o showbiz, Madonna (VÉI, MADONNA AINDA NÃO È ~VELHA~, ACEITEM) e Rita Lee;

PS 2: Este tweet interessante do Evsu;

PS 3: Esta música é para combinar com o post.

 

Recap dos últimos dias da minha vida.

1) dos 30 dias com Android (e minhas lições de ter sido assaltado)

Setembro, dia 29. Finalmente havia chegado o celular que tanto queria. Um Galaxy X (ou Nexus, por causa de probleminhas que tivemos no Brasil). Fiz uma festa. Comprei um celular muito legal, bonito, estiloso, com funções que não teria no meu Nokia C3 de guerra. Aí tá. Fiquei usando por 30 dias até ser assaltado. Coincidentemente, no dia 29 de Outubro. Roubaram meus dois telefones. E o dinheiro na minha carteira (que sobrou do Rio).

(quem tiver lendo isso favor NÃO CONTAR AO POVO DA MINHA CASA pq senão quem fode sou eu obrigado)

E acabou mundo. Senti que cortaram dois braços. Simplesmente amputaram o pouco de felicidade que tenho na vida. Um celular que comprei com o suor do meu trabalho, e o dinheiro que economizei na viagem que fiz ao Rio. Fiquei atônito, chocado, desnorteado. Chorei várias vezes. Foi uma violência psicológica muito grande. Não recomendo a ninguém.

E do pouco tempo de Galaxy Nexus, às vezes me pergunto: vale a pena viver uma vida que você não quer ou que não pode viver a vida que você quer? A vida é maior que tudo isso? Os crackudos merecem viver? Bandidos  que roubam pessoas honestas todo-santo-dia merecem estar vivos? Deus está me testando, me dando uma lição ou me dando algum tipo de sinal? São perguntas que me faço durante o dia.

Sabe, a sensação de ser assaltado (e pior: de não contar aos seus pais para eles não se preocuparem/se chatearem/se aborrecerem, achando que a culpa é sua; disse a eles que meu telefone ficou pra assistência; vou comprar um outro x/nexus esta semana) é horrível. A cena me vem várias vezes. O meu telefone indo embora. O Cerberus e o Prey não funcionando mais. E o dinheiro, que servia pra pagar minhas dívidas? Onde irei arranjar essa grana, uma vez que usei o salário pra pagar minhas outras contas? O ladrão dificultou minha vida, me deixou triste. E quero muito que ele se foda.

Pq vou ter compaixão cristã se ele não teve comigo no momento do assalto? Se quisesse uma grana, que vá trabalhar, ou pedir esmola. Mas me assaltar como ele foi é foda. Me senti ultrajado.

Não vou mentir que o Estado deve melhorar muito na Educação e na distribuição de renda (o Brasil está entre os países com a maior desigualdade social do mundo), e deve dar chances às pessoas para crescer e ser alguém na vida. Mas acho que o “Não Roubarás” deve ser aplicado a todos nós. Desde eu, até os crackudos e políticos que gerenciam a máquina estatal. E, quem não seguir, que morram. Decapitados.

Direitos Humanos, sim. Mas para quem é honesto, trabalhador e que respeitam outros seres humanos. E os seus bens.

E das lições?

1) crackudo merece morrer;

2) fazer seguro é a melhor opção;

3) testar seus apps de segurança;

4) já falei que crackudo merece morrer?

2) Ah, o Rio?

Viagem maravilhosa, conheci amigos lindos. ❤ O final de semana foi bem bacana, e pude conhecer algo que não conhecia do Rio a algum tempo atrás (14 anos kkkk). Mas vamos às constatações:

2.1) cara, que cidade linda. Caótica, como qualquer cidade grande. Mas linda. Linda, com gente bonita, com um astral bacana. 🙂 Entendo pq tem tanta gente apaixonada pelo Rio de Janeiro. Fiquei bem triste (e meus amigos tbm) por ficar só no final de semana. Mas eu volto, gente. Eu prometo.

2.2) o carioca. cara, o carioca é um povo muito bonito (E QUEM FALAR QUE NÃO É VOU DIZER QUE É RECALQUE). Mas sabe? Eu achei meio antipático. Sabe aquele povo que acha que é bonito e acredita e faz carão pra tudo? Foi o que achei do Rio. Outra coisa: achei o povo do Rio um povo mole. ISSO QUEBRA O MITO. VÃO DEIXAR? ~mythbusters~

2.3) melhores praias… E as baladas? A Praia de Ipanema, meu Deus… Que delícia! <3333 Uma praia super do bem, com gente diferente, pessoas legais, um clima bacana… Das duas vezes que fui com os amigos, amei nas duas. Na moral! Eram pessoas de todo estilo. Se bem que fiquei meio envergonhado de ter ficado sem camisa. hahahahahaha Em contrapartida, nas baladas… Blz que tive sorte de ir a duas festas legais. Uma que a Polly organizou na Casa da Matriz (e eu gostei e achei super organizado; tinha um pessoal bonito na festa e eles tinham mojitos e outros drinks maravilhosos <3) e outra com o DJ Waldo Squash na Fosfobox, da gloriosa Gang do Eletro ❤ (dancei até com a Keilinha da banda, MELHOR COISA DO MUNDO <33333). Mas… O Rio não é tão diversificado nas baladas como em SP. Queria fazer escalas enormes (MESMO MORTO) pra emendar nas baladas, mas nunca achava uma coisa legal (ou bagaceira) pra ir. Mas acho que devo ter ido no final de semana errado, pq vcs, cariocas, vão ter VALESCA, GABY AMARANTOS E MAIS DE MIL (sdds vem ser minha cliente). <333333 E vcs querendo morar num engodo chamado Aracaju FAÇAM-ME O FAVOR VIU

2.4) amigos que fiz: beijos pro Cássio, Gilberto e Daniel (por um dos melhores jantares da minha vida <333333); pro Daniel (de novo rs) e pro Thiago (pela praia massa de Ipanema, pelas trolladas no app-laranja-e-preto e pelo Fellini, que é um restaurante a quilo sensacional); pra Lua (minha mai, e o namorado dela, Bruno), Ly (e o marido dela, o André), Bi e Dani pelo jantar incrível, pelas conversas maravilhosas e pelo Ice de Kiwi maravilhouso (SDDS); e pro Bruno e pro Diego, pela companhia maravilhosa na praia (tô devendo uma ida a Nitcheroy. Vai ser MEMORÁVEL. HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA). E é isso, tô com saudades de vocês, das conversas, das companhias, de tudo. Prometo. Voltarei logo pra amar mais vocês. E quem não me viu, ver-me-á. MUAHAHAHAHAHAHA =p

2.5) PAI/MAITROCÍNIO: agradecimentos ao pai pela companhia na viagem e à mãe pelo financiamento do meu final de semana. Foi massa demais. Amo vocês sempre. E me desculpa por não ser um bom filho de vez em quando.

3) Revendo planos e metas…

Comecei a comer menos nas refeições. Quero ser mais magro. Tá até adiantando. Tenho comido mais salada, mais coisa saudável… Sò falta ter uma coragem legal pra jogar Dance Central. hahahahahahaha Ademais, preciso fazer um resgate espiritual a minha pessoa e achar respostas a alguns dilemas que eu tenho. E tentar achar o rumo na minha vida, e chega dessa divagação filosófica pq vcs não merecem. Boa Noite.

E fiquem com:

<33333333

 

(mais de) uma semana de cicloativismo¹.

(¹ cicloativismo, na verdade, é forma de dizer. O que faço é apenas substituir o transporte que normalmente ando e trocar por bicicleta)

Andar de bike sempre foi um problema pra mim. Quando guri, tentava andar, mas nunca conseguia. Meu pai me obrigava a andar de bike cedo todo sábado e isso estragava meu final de semana. Primeiro: não conseguia andar direito e ficava frustrado. Segundo: passava Xuxa e queria ver (olha a ideia da criança). Daí meu pai desistiu e me tornei um adolescente obeso, sedentário e que morria quando fazia algum esforço físico. Por algum momento, decidi andar de bike no sítio da família em um dia aleatório de 2001, aos 13 anos. E comecei a andar. 😀 Claro, superei o trauma, e me apaixonei em andar de bike. Mas é uma arte arcana que esquecia de praticar. Até uns dois anos atrás.

Um amigo meu decidiu incentivar a minha pessoa em andar de bike. Mandava textos, opinava sobre a carrodependência, essas coisas. E eu, de repente, abracei a causa. E até mesmo apoiar o cicloativismo de verdade. Não chego a participar de eventos ou bicicletadas, mas posso dizer que sou simpático a causa. E daí que, um dia desses, decidi andar de bike pra resolver minhas coisas do cotidiano pela manhã e tarde. O meu carro tinha batido (VOLKSWAGEN, DOIS MESES PRA ENTREGAR MEU CARRO CONSERTADO? ESQUERO QUE ESTEJA BOM, OU VAI SOBRAR PRA VOCÊS), e tava enjoado de perder UMA HORA num trajeto que demoraria 25 minutos de bike ou 15 de carro; daí a ideia de andar de bike. No entanto, pra isso, tinha de superar alguns obstáculos e reformar a minha bike.

1) Paranoias de mãe: desculpem às minhas amigas que já são mães, mas… Tem indivíduo mais paranóico que as nossas mães? Se tiver, fale nos comentários pq EU DESCONHEÇO. Mãe tem aquele mal de amar demais, e por amar demais, costuma falar besteiras ou até mesmo vetar coisas simples. Como andar de bicicleta. Segundo minha mãe,

1) BICICLETA MATA;

2) BICICLETA PODE SER ROUBADA;

3) BICICLETA FAZ VOCÊ SUAR.

Eu já discuti SÉRIO com minha mãe sobre o simples fato de querer andar de bicicleta. (isso vocês nem sabem do AUÊ que rolou em casa pq eu disse que queria andar de patins) Não dando resultado, decidi ir ao trabalho escondido de bike. Ela descobriu essa semana, por sinal. Culpa do meu pai, que falou. RSRSRS Daí que, você vê, mães. A gente faz escondido pq não gostamos de levar repressões em algo que nem mal faz. =P

2) O renascimento de uma bike morta: antes de andar, tinha de ~ajeitar~ a bicicleta. E o pior é que ela tava toda fodida: enferrujada, pneus murchos, marcha lascada, etc. etc. Fui num mecânico e pedi pra ajeitar. Ficou joinha e usável, o que é mais importante. Comprei sinaleta, refletores, sinlizadores… Tudo bonitinho pra ser uma bike urbana. E num é que a bicha tem dado pro gasto? ❤ Tá maltratada, mas tá me servindo. E isso é o que importa.

3) Aracaju e sua cultura raivosa dos carros: Aracaju tem 600 mil habitantes e é uma cidade pequena. No entanto, ela tem muito mais carros que pessoas. E o trânsito tem ficado igual ao de cidade grande. Isso atrapalha toda uma mobilidade de uma cidade que não soube crescer direito. Mas este não é o ponto principal.

O ponto principal é: Aracaju é MUITO raivosa com quem não tem carro. Quem já andou de bike, percebe isso. NORMALMENTE, os carros vêm voando, com uma velocidade acima do normal. E apesar de haver muitos km de ciclovias, os carros normalmente não respeitam uma simples bike pq… Ela não está numa ciclovia. Boo.

E some ao fato de não haver bicicletários e algumas pessoas rirem da tua cara quando você diz que tá de bike. HAHAHAHAHAHAHAHAHA

4) A bike e os seus efeitos: é muito pouco pra dizer o que mudou na minha vida ao começar a andar de bike. Continuo na merda, sempre. Mas é uma perspectiva interessante você como ciclista no trânsito. Você vê o outro com outros olhos. Este é um ponto positivo muito forte. Mas, essas de descobrir novas rotas e ir a caminhos mais simples eu ainda não descobri. Não consegui ter um google maps pra minha vida, imagine agora. E apesar de ser uma forma saudável de locomoção na cidade e perder uns quilos (ASSIM EU ESPERO, PQ OLHA), eu fico extremamente enfadado por andar no calor, sem falar no suadouro lindo que fiquei. Quando cheguei em casa, tava um pavor de tão suado. Tudo bem que sou obeso e o caralho a quatro, mas se eu andasse no frio, eu acho que nem suaria. hahahahaha E bom, como disse, só mudou o fato de eu andar nos lugares mais rápido, compreensão de perspectiva e só. PQ NEM PRA PAQUERAR NGM ME PAQUEROU, HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

E é isso. Boa Terça a todos.

 

Barbacracia. (ou: a opressão da sociedade em querer que os homens usem barba no dia-a-dia)

Image

(Wayne Coyne, vocalista dos Flaming Lips, e barbudo.)

Tudo começou com um sábado ensolarado, um dia bonito e radiante. Eu, disposto a estudar cedo, decidi ir pra faculdade. Antes de começar, dei de lance com a seguinte matéria:

Homens com barba são menos atraentes, diz estudo

E o que aconteceu? Um inferno. Tá, eu exagerei. Mas começaram a discutir pautas que envolvem barba. Mas sabe o que mais vi? Muitos homens (gays) dizendo que preferem barba. Algumas mulheres também. Tudo bem que trata-se de um povo com culturas diferentes, mas é algo a se registrar.

Tem-se percebido de que as pessoas tem ~~~exigido~~~ (sim, exigido. pois sinto que há uma ditadura da barba aí. E é algo que vem bem forte) que os homens venham com barba. Praticamente virou um caso sério a ser estudado. Tem tumblr sobre isso. (eu até participei de um dia sobre homens barbados. olha o meu projeto de barba?)

E o que virou brincadeira, ou até mesmo forma de opção, virou pura e simples obrigação de ter barba. TODO MUNDO QUER UM BARBUDO. Talvez reflexo da flexibilização da masculinidade, no qual os homens podem se tornar metrossexuais, e o advento de fatores mais ousados ao estilo masculino contribuísse muito pra isso. E o pipocamento dos meninos-com-cara-de-menina-e-magrelos, contrapondo a virilidade masculina, e com isto, a barba seria um símbolo da retomada de uma virilidade que, ledo engano, foi perdida. Mas não importa. O problema é sério. E afeta as pessoas com barba terrível. Ou que não tem barba. Eu tô incluso no primeiro grupo.

Se você fizer uma enquete que tipo de homem você curte, certamente algumas pessoas responderão:

– curto nerd e barbudo
– curto mauricinho e barbudo
– curto cozinheiro e barbudo
– curto cara nscido em boa família e barbudo
– curto urso e barbudo
– curto eunuco e barbudo

ENTENDERAM O PROBLEMA?

Um pessoal que sempre rechaçou a segregação e preconceito, agora impõe que barbudos são mais interessantes. Uma coisa é usar barba porquê você gosta, ou porquê adora sentir, sei lá. Outra é uma horda de gente que diz que barbudos são melhores.

Este post é cheio das mágoas, e vos explico o pq.

[X]

Eu, com o intuito de agregar mais pessoinhas ao meu coração, decidi cultivar a minha barba. Tava crescendo, tava num volume bom. Enfim, tava daora. Eu comecei a sustentar minha barba todo orgulhoso, como se eu fosse um guri de 17 anos que decidiu desenvolver os hormônios agora e, pra achar que é maduro, decide criar barba. Dito e feito.

Alguns dias depois, o maldito projeto de barba começou a me dar problema. O pelo do bigode me incomodava. O da barba coçava. Enfim, me deu umas agonias que só Jesus na causa. E a quantidade de gente que peguei? ZERO.

Mas eu, otimista retardado (pq otimista razoável faria um trato no cabelo e barba, pensando no melhor), decidi manter a bendita barba. E começaram os elogios. Só que ao contrário.

– Igor, virou mendigo?

– Igor, brigou com o barbeiro?

– Igor, vai fazer quando a barba?

AÍ QUER DIZER. Pro Gabriel Braga Nunes não dizem isso, e pra mim, vem essa macacada. Eu desencanei? NÃO. Vou ver se mantenho a barba pra ver se cativo alguém. ZERO. (e ainda levei fora)

E veio a viagem a Praia do Forte, e recebi um ultimato. Decidi raspar tudo. Cabelo e barba. Chega. Tava coçando, tava calor, tava quente. (oi, molier filé)

Acontece que eu tava ocupado nesse dia, e só fui cortar cabelo às 9:30 da noite. Ou seja, todos os salões da cidade estavam FECHADOS.

Como única opção, tive de pagar 63 REAIS pra cortar o cabelo, e fazer a barba. Não a faço em casa pois os malditos gilletes não sabem cortar o tipo de barba que tenho.

Quando fizeram, começou a pipocar alguns problemas. Mas digo a vocês que saí com o rosto fatiado (MENTIRINHAAAAAAA) e cheio de cravos, como produto da imposição de vocês.

Resultado: vou fazer a barba agora, assim que puder. E aliás, vou até fazer. Ela tá charmosinha, mas peguei trauma de cultivar barba.

Na verdade, a grande questão é que vocês gostam de gente bonita de barba. E não da barba em si.

E ainda tô chatiada com essa macacada. Sinceramente.

[X]

– Quem gostou do assunto, postei sobre neste link no meu facebook. Vai lá e dá um pitaco. ;*

– Este post é cheio das mágoa e dos recalque. Mas relaxa. Tô mandando as contas pro responsável disso. (a/c Universo)

– Aliás, ninguém paga as mias conta, né?

 

Igor.

Nessas férias, eu simplesmente não sei o que faço. Já dizia alguém sábio de que a cabeça vazia é oficina do Diabo. Não consigo ter grandes ocupações, a não ser jogar/dormir/trabalhar/comer/sair. E só. E não consigo evoluir como pessoa (ainda que ache que um jogo como Gears of War me faça evoluir como pessoa, mas…)

A grande verdade é que não sei o que faço. E se sei, não tenho cabeça pra isso. Talvez muito se deve ao fato de não ter planejado devidamente para o que quero (e pretendo!) fazer.

Tenho um concurso pra estudar. Mas sem cabeça pra isso.
Tenho OAB. Mas sem cabeça pra isso.
Quero criar um post pro meu outro blog. Mas sem cabeça.
E quero ficar com um corpo maneiro. Mas sem cabeça.
E pós. E isso. E aquilo!

Minha cabeça tá simplesmente dizendo: ACORDE PRA VIDA, TU TEM DE SUBIR MUITO AINDA NA VIDA.

Mas minha cabeça anda numas de ficar em brancas nuvens que me parece a Lindsay. Fica toda zuada na buatchy, se encrenca, mas toma um banho de piscina e se pergunta: e agora? O que faço da minha vida?

(fiz 24 anos no dia 10 de Janeiro. Parabéns pra mim.)